Primeira turma do Mestre Vitor Silva

Posted on Posted in O Mestre

Olá Karatecas!

Sou o Gualter Mendes, casado, de 38 anos de idade, chefe da P.S.P., resido em Vila Nova de Gaia, 3.° Dan e comecei a praticar Karaté-Do, em Março de 1978, num pavilhão com características óptimas para a prática da modalidade, sediado no Colégio de Trancoso – Vila Nova de Gaia. Tive o privilégio de ser um dos primeiros alunos, a fazer parte desta família, felizmente já bem numerosa, que são os praticantes, quer sejam instrutores ou simplesmente alunos.

Experiências foram muitas, na altura vinha a convite da Associação, um Mestre Japonês, de nome Tetsuji Murakami-Kai — 5.° DAN, orientar os estágios e efectuar exames de graduação, transmitindo todo o seu saber, dotado de uma personalidade ímpar, que lhe era muito peculiar, verdadeiro exímio na matéria, com uma notável técnica, que só ele sabia fazer. Infelizmente veio a falecer e sucedeu-lhe o prof. Vitor Silva, na liderança da Associação.

Com a dinâmica sempre criada pela Bushido – Associação Karaté-Zen Portugal foram criados Estatutos da mesma, e, em determinado ano, fui nomeado Presidente da Associação, e ali permaneci a desempenhar as funções, cerca de 6 anos. Dei aulas na Escola Secundária de Vale de Cambra e em Aldoar, no Porto.

Foram experiências inesquecíveis e gratificantes pois sempre gostei de transmitir aos outros os conhecimentos que consegui adquirir, nomeadamente nas camadas mais jovens, pela sua inocência e humildade que as crianças nos transmitem.

Frequentei algumas acções de Formação, e o último Curso de Formação teórico-prático, que decorreu em Viseu – Outubro de 2000, para cumprir os requisitos impostos pela legislação, para obtenção da “Carteira Profissional”.

Infelizmente nem sempre pude treinar, tão afincadamente como desejava. Primeiro, pelo cumprimento do serviço militar obrigatório, depois por motivos profissionais e os estudos, que impediam o ritmo semanal dos treinos, e muito me entristeceu não poder continuar a treinar com aquele afinco, que inicialmente tinha, mas havia de decidir e privilegiar o que era mais importante.

Actualmente esse “bichinho” ainda não morreu, nem morrerá por perto tão cedo, e sempre que me é possível, vou treinar, tentando dar o meu melhor no Dojo.

Aproveito a oportunidade, para realçar o meu grande apreço e consideração pessoal, elogiando sem quaisquer favoritismo, o excelente trabalho desenvolvido ao longo de tantos anos, do actual Mestre Vitor Silva – 5o DAN, presidente do Concelho Técnico Nacional que, tem sabido transmitir os seus conhecimentos técnicos, que são muitos, sendo dotado de um perfil muito equilibrado, humilde e generoso, que em muito tem contribuído para a dinamização e divulgação, não só da Associação, mas do Bushido Karaté-Zen em Portugal. Considerado um verdadeiro amigo, na plena a acepção da palavra, sempre disposto a auxiliar quem dele precise, quer seja aluno ou simplesmente um outro companheiro.

Não sendo profissional, procura aprender sempre mais e mais, com frequências constantes de Acções de Formação, Cursos, estágios, reuniões, e mesmo, passando pelo seu vasto currículo, uma viagem de 1 mês ao Japão e China, para ter outras experiências no mundo do das artes marciais. Aqueles que ainda não têm o conhecimento suficiente sobre as suas qualidades, com o decorrer do tempo, vão dar-me razão, ao sentirem vocês mesmos, que quando precisarem de um amigo, ele está logo ao vosso lado…

“nada é mais importante do que o nosso comportamento”

Durante o decorrer destes 23 anos, em que me encontro ligado à BUSHIDO, verifiquei que uma das principais características da Associação e do praticante do Karaté, é que, “nada é mais importante do que o nosso comportamento”. Através dele, é que se distingue o bom ou o mau praticante, e não apenas pela cor do cinto, é o seu carácter e humildade que ditam a diferença. Não podia terminar, sem deixar de realçar a célebre frase do falecido Mestre Murakami, que dizia que a essência do praticante estava no “domínio de si próprio”, de facto o verdadeiro combate é contra nós próprios, contra os nossos defeitos, a nossa agressividade, melhorando a nossa conduta na sociedade.

Longe vai o tempo, em que vinha a correr da Praça Marquês de Pombal – Porto, para o Trancoso – Gaia, que para fugir ao trânsito e poder chegar a tempo ao treino, saía às 19h00 e a aula começava às 19h30, quando lá chegava já tinha o “aquecimento” feito, era só entrar na parte técnica, torna-se cansativo, mas ao mesmo tempo bastante reconfortante poder estar inserido naquela excelente classe, de verdadeiros amigos…

Ultimamente, foi com grande alegria que levei o meu filho de 5 anos de idade, apesar pela primeira vez um Dojo (Escola de Karaté do Porto), era como eu tivesse entrado pela primeira vez, ele adorou, fruto de uma hereditariedade, talvez? Mas foi muito gratificante vê-lo dar os primeiros passos nesta nova escola da vida, seguir os mesmos passos do pai, é indescritível. Há uns anos atrás, disse-o numa entrevista numa rádio, que para a prática de Karaté, não se escolhe idades, pode ir dos 5 aos 70 anos, para desenvolver uma forte personalidade, um bom desenvolvimento físico e motor, e ter um corpo são, a idade não faz nenhuma diferença, o que é preciso é gostar-se daquilo que se está a fazer, como tudo na vida.

Deixava por fim um apelo, pratiquem, não se acomodem… a facilidade é inimiga da Arte.

Cumprimentos de um amigo, que alguns não conhecem, mas que está também sempre do vosso lado, bons treinos…