Oss

O Espírito OSU

Posted on Posted in Bushido Karaté-Zen

A palavra OSU caracteriza correctamente do que a arte do Karaté tem para oferecer. A pessoa que é verdadeiramente capaz de manifestar o espírito OSU em cada palavra, pensamento e acção, pode ser considerada como sábia e corajosa. O próprio termo inicialmente deve ser abordado no espírito de OSU. A nossa vida do dia-a-dia deveria ser vivida completamente desta forma. Não existiriam dúvidas, medos nem preocupações na alma.

O espírito japonês é um espírito de perseverança. Se um ocidental pára com facilidade quando as coisas se complicam, o japonês simplesmente tem consciência de que tem que insistir.

Quando fatigados durante os treinos, isso não deve ser um sinal para parar, mas sim ser encarado como um oportunidade de amadurecer através da perseverança. Tudo o que é preciso é aquela determinação especial. Mesmo para quem tem menor talento, mas que tem determinação e vontade de continuar, a alma torna-se receptora e o professor estará sempre ao seu lado. Não há lugar para egoísmo no espírito de perseverança.

Quando se encolhe de dor, na maioria das vezes, é o ego que fica ferido, e não o corpo.

A resistência do corpo é verdadeiramente espantosa. Histórias de resistência sobre-humana, em momentos de necessidade, são numerosas. Mas nós se permitir-mos que o ego fique ferido, então o corpo ficará fragilizado rapidamente e cederá. Ultrapassadas as fraquezas das nossos sentimentos o oponente que está à nossa frente será insignificante. Uma das filosofias mais importantes do Karaté-Zen é a de sempre persistir.

O Bushido Karaté-Zen uma arte que oferece muito, de acordo com os objectivos a curto ou longo prazo do estudante. O estudante acaba por perceber que ultrapassar o que julgava ser seu limite, proporciona um espírito especial. Isto ensina-o a encarar as exigências do dia-a-dia com uma atitude madura e paciente.

A adversidade não abala facilmente o Budo-ka, que se apercebe que para se aproximar do seu potencial máximo é preciso em espírito de “nunca desistir”, o primeiro indício ocorre quando ele decide aceitar os desafios impostos pelo professor: só mais uma flexão, só mais um salto antes de desistir). É neste humilde, mas vital início, que cresce o desejo de se desafiar a si próprio. Aprende-se a encarar a prática do Karaté como um sério desafio e com o que se pode aprender muito sobre a vida.

Quem vive no espírito de “OSU” não é incomodado por trivialidades, mantendo a calma num meio de uma infinidade de problemas; está sempre alerta; a sua vida é baseada na procura da VERDADE.

Desta forma o BUDOKA respeita naturalmente os outros, é cortês e atencioso. Ele é humilde, procura sabedoria e força e apercebe que tudo o resto não passa de um desperdício de esforços. A vida humana torna-se mais ampla e profunda.

O Karaté-ka aprende a partilhar com os outros em vez de ser avarento e egoísta; desenvolve o sentido de irmandade cooperativo; ele não engana, ele é justo e atento e, tem consciência que para que as pessoas do seu Dojo (ou fora dele), tenham confiança nele e o respeitem, tem de ser justo, simpático e maduro. Aprende que num segundo vital é ter capacidade de rir de si próprio. Uma característica de um Karaté-ka maduro, é o seu bom sentido de humor:

“Sê sério em tudo, mas não leves nada demasiado sério.”

A espada japonesa é uma excelente comparação com o Karaté-ka de Bushido. Não é somente uma arma perigosa, uma arma desenhada para matar eficazmente, mas também é uma bela obra de arte. Assim deveria ser o Karaté-ka. Uma pessoa tem a escolha de utilizar a arte para se desenvolver num ser cheio de beleza e equilíbrio, ou numa arma destrutiva e insensível.

A Arte ensina como viver e como morrer.

Os cinturões coloridos do Bushido Karaté-Zen são símbolos não só do que se pode esperar dos treinos, mas também, da recompensa pelos esforços. No início o cinto branco reflecte todas as cores, simbolizando a potência do nosso estudante de alcançar os outros graus. Junto com o cinturão preto, o primeiro cinturão (branco) são os mais importantes na vida de um karaté-ka.

Preto é a cor sem cor. Quando exposto à luz absorve as ondas tornando-se quente. Demasiado quente para tocar. Preto é a cor da força, não sendo facilmente coberta por outra cor. Todavia a chegada a Shodan é apenas um novo início, é o fim de uma etapa mas, o início de uma grande viagem.

Como no Budo-ka não há lugar ao orgulho ou à vaidade, há que continuar a treinar, mesmo nos anos mais avançados da sua vida…

Tal como o cinturão branco que gradualmente se torna preto, com a prática, o cinturão preto desbota-se pouco a pouco, desfiando-se nas extremidades e voltando a ser branco. O círculo fica finalmente completo, de novo o Mestre torna-se estudante.